Um Retrato da Excelência: Pastor e Igreja, Igreja e Pastor

“Um Retrato da Excelência:

Pastor e Igreja, Igreja e Pastor”

 

I Tes. 1.1-10;2.1-20

1- Paulo, e Silvano, e Timóteo, à igreja dos tessalonicenses em Deus, o Pai, e no Senhor Jesus Cristo: Graça e paz tenhais de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo.

2- Sempre damos graças a Deus por vós todos, fazendo menção de vós em nossas orações,

3- Lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do trabalho do amor, e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai,

4- Sabendo, amados irmãos, que a vossa eleição é de Deus;

5- Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo, e em muita certeza, como bem sabeis quais fomos entre vós, por amor de vós.

6- E vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo.

7- De maneira que fostes exemplo para todos os fiéis na macedônia e Acaia.

8- Porque por vós soou a palavra do Senhor, não somente na macedônia e Acaia, mas também em todos os lugares a vossa fé para com Deus se espalhou, de tal maneira que já dela não temos necessidade de falar coisa alguma;

9- Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro,

10- E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura.

1- PORQUE vós mesmos, irmãos, bem sabeis que a nossa entrada para convosco não foi vã;

2- Mas, mesmo depois de termos antes padecido, e sido agravados em Filipos, como sabeis, tornamo-nos ousados em nosso Deus, para vos falar o evangelho de Deus com grande combate.

3- Porque a nossa exortação não foi com engano, nem com imundícia, nem com fraudulência;

4- Mas, como fomos aprovados de Deus para que o evangelho nos fosse confiado, assim falamos, não como para agradar aos homens, mas a Deus, que prova os nossos corações.

5- Porque, como bem sabeis, nunca usamos de palavras lisonjeiras, nem houve um pretexto de avareza; Deus é testemunha;

6- E não buscamos glória dos homens, nem de vós, nem de outros, ainda que podíamos, como apóstolos de Cristo, ser-vos pesados;

7- Antes fomos brandos entre vós, como a ama que cria seus filhos.

8- Assim nós, sendo-vos tão afeiçoados, de boa vontade quiséramos comunicar-vos, não somente o evangelho de Deus, mas ainda as nossas próprias almas; porquanto nos éreis muito queridos.

9- Porque bem vos lembrais, irmãos, do nosso trabalho e fadiga; pois, trabalhando noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós, vos pregamos o evangelho de Deus.

10- Vós e Deus sois testemunhas de quão santa, e justa, e irrepreensivelmente nos houvemos para convosco, os que crestes.

11- Assim como bem sabeis de que modo vos exortávamos e consolávamos, a cada um de vós, como o pai a seus filhos;

12- Para que vos conduzísseis dignamente para com Deus, que vos chama para o seu reino e glória.

13- Por isso também damos, sem cessar, graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes.

14- Porque vós, irmãos, haveis sido feitos imitadores das igrejas de Deus que na Judéia estão em Jesus Cristo; porquanto também padecestes de vossos próprios concidadãos o mesmo que os judeus lhes fizeram a eles,

15- Os quais também mataram o Senhor Jesus e os seus próprios profetas, e nos têm perseguido; e não agradam a Deus, e são contrários a todos os homens,

16- E nos impedem de pregar aos gentios as palavras da salvação, a fim de encherem sempre a medida de seus pecados; mas a ira de Deus caiu sobre eles até ao fim.

17- Nós, porém, irmãos, sendo privados de vós por um momento de tempo, de vista, mas não do coração, tanto mais procuramos com grande desejo ver o vosso rosto;

18- Por isso bem quisemos uma e outra vez ir ter convosco, pelo menos eu, Paulo, mas Satanás no-lo impediu.

19- Porque, qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória? Porventura não o sois vós também diante de nosso Senhor Jesus Cristo em sua vinda? 20- Na verdade vós sois a nossa glória e gozo.

 

 

INTRODUÇÃO:

 

     A excelência foi a busca constante no Ministério de Paulo. De maneira particular na igreja de Tessalônica. Uma igreja que nasce com alguns judeus, uma multidão de gregos e um número expressivo de mulheres. O livro de Atos registra essa viagem, a segunda, missionária, e o fruto desse trabalho. A Igreja Tessalônica. Registra ainda que ali, alguns homens com profunda inveja, procuraram impedir o processo daquela igreja que se iniciava. Foi ali que, pela primeira vez, se menciona a intensidade do progresso da igreja, e a pregação da Palavra de Deus e a excelência do Ministério.

     O verso seis registra algo excelente, extraordinário: “...Estes que tem transtornado o mundo, chegaram também aqui.”

     Primeira Igreja Batista em Arinos e Pr. Luis Cláudio de Souza, Pr. Luis Cláudio de Souza e Primeira Igreja Batista em Arinos, que esse Retrato da Excelência marque a vida e o ministério que hoje se inicia. Que vocês possam transformar o mundo com a excelência da pregação.

“Um Retrato da Excelência:

Pastor e Igreja, Igreja e Pastor”

 

I – O modelo de excelência da igreja, um reflexo na vida do pastor.

     . Hoje, um dia de festa, de sonhos sonhados

     . Um dia de concretização da visão passada, da visão que hoje é contemplada com a posse de um novo pastor.

     . Quais são os passos de excelência que Deus espera da igreja, a luz do texto lido, que reflitam no ministério pastoral, que abrasem o coração do pastor, que impulsionem o pastor em direção da mesma excelência?

     . Há, no texto, alguns retratos, já revelados, que marcam a vida e a história da igreja do Senhor Jesus Cristo.

A. O retrato da excelência da fé.

. A excelência da igreja é marcada por passos de fé. É identificada por total dependência do Senhor em suas decisões e ações. Está sempre submetida ao senhorio de Jesus. Não age por impulsos, por arrogância, por presunção e conceitos humanos, mas pela paciente espera no Senhor. I Tes. 12.3 a “...sempre damos graças a Deus por vós todos, fazendo menção de vós em nossas orações, lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé...”

B. O retrato da excelência do amor.

. A igreja tem suas características administrativas. Precisa fazer sua contabilidade, sua declaração de renda, tem funcionários, tem administração, tem serviços mas, a sua excelência não está marcada pela perfeição, é cumprimento dessas obrigações inerentes ao seu funcionamento.

. A excelência do trabalho da igreja está marcada pela ação amorosa da igreja em suas atividades espirituais.

. Tudo o que ela realiza tem a marca do amor.

. O trabalho não é feito por obrigação, não é feito porque está no calendário da igreja, porque um irmão ou outro deseja que se faça.

. Todas as atividades têm a marca da excelência do amor. Mesmo quando for uma disciplina, haverá de ter a marca do amor. Palavras duras, palavras amargas, palavras desencorajadoras, palavras de críticas, palavras que ferem não fazem parte do retrato de excelência do amor em uma igreja.

A cordialidade, a sinceridade de coração, a sensibilidade em reconhecer o sofrimento, a dor, a angústia, o sofrimento do irmão e dos semelhantes, marcam a excelência do amor nos relacionamentos da igreja.

Eliana Moura escreveu: É o amor que transforma, o amor que pensa e sofre pelo próximo. Afirma ainda: Sonhar os sonhos que não são os seus: mais que altruísmo é serviço. Homens e mulheres trabalhando com pessoas que servem porque não sabem viver de outra forma, a não ser servindo e amando. É assim que, como Igreja de Cristo, podemos agir em sociedade crendo no que cremos. Entramos e construímos uma história. História pessoal, história de alguns, história de muitos, história de um povo, história da igreja, história de amor. História da excelência.

“Lembrando-nos sem cessar...do vosso trabalho de amor...”

C. O retrato da excelência da alegria.

. Alegria que transpõe as barreiras da desesperança

. A Alegria que abre caminho para comunhão,

. Alegria que alegra, que inclui, que abraça, que recebe o que está sem esperança, que recebe e envolve o abandonado, o descamisado, o aflito, o injustiçado, o que está desacreditado

. A Alegria da esperança

. A Alegria do Novo amanhã.

Tiago de Melo, irmão da irmã Mª do Céu Melo Mestrinho, quando estava no exílio, escreveu um lindo poema de alegria e esperança:

     Faz escuro, mas eu canto

     Faz escuro, mas vale a pena semear

     Faz escuro, mas vale penha plantar

     Faz escuro, mas eu canto

     Porque o amanhã ainda virá

A excelência da alegria na vida da igreja e parafraseando Tiago de Melo: É que

     Mesmo estando escuro, ela se alegra

     Mesmo estando escuro, ela não deixa de semear

     Mesmo estando escuro, ela continua plantando,

     Mesmo estando escuro, ela permanece cantando

     Porque ela acredita no amanhã que virá.

“Lembrando-nos sem cessar, da vossa firmeza de esperança em nosso Senhor Jesus Cristo.”

D. O retrato da excelência do poder de Deus, na vida da igreja.

. Poder que vem da presença do Santo Espírito. Espírito de Deus na vida e nas ações da igreja.

. Na vida e nas ações de cada membro da igreja

. Poder sobrenatural no lugar do poder carnal

. Poder de uma igreja no altar de Deus

. Poder de uma igreja em ininterrupta oração. “Bancos sem oração fazem púlpitos sem poder.” Paul E. Holdcraft

. Poder que leva a igreja ver o invisível para fazer o impossível (Sarve Johnson)

. Poder para enfrentar e vencer os golias da vida. É o poder que vem da Palavra de Deus

. Poder que domina a mente e o coração da igreja

. Poder que se manifesta em ações concretas e reais

. Poder que não se limita a palavras

. O poder é Deus entre seu povo desenvolvendo ações cristãs (W.L.Molton)

“...Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder.” (v. 5 a)

E. O retrato da excelência refletindo a obediência da missão. V 7,8

Obediência como afirma I Samuel vem antes da adoração, da missão, do ensino e da ação social. A excelência da obediência promove estes pilares da igreja de Jesus.

 F. O retrato da excelência registra uma Igreja que serve de exemplo para quem busca um modelo

“E vós vos tornastes nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a Palavra em muita tribulação, com gozo no Espírito Santo. De maneira que fostes exemplos para todos os fieis na Macedônia e na Acaia”.

Primeira Igreja Batista em Arinos, Não Vivam para vocês mesmos

. Sejam exemplo para todo o Estado de Minas Gerais, e que o compromisso missionário alcance os confins da terra.

“...De vós fez-se ouvir a Palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas também em todos os lugares. A vossa fé para com Deus se espalhou de tal maneira que não temos necessidade de falar coisa alguma.”

O Retrato da Excelência: Igreja refletida no Pastor.

 

 

“Um Retrato da Excelência:

Pastor e Igreja, Igreja e Pastor.”

 

II – O modelo de excelência do Pastor, um reflexo na vida da Igreja

     . Hoje, a posse do novo pastor da igreja.

     . Após uma peregrinação de meses, de constantes e intensas orações, assume o pastorado o Pr. Luis Cláudio de Souza.

     . Seu ministério, ansiosamente aguardado, deve ter reflexos na vida da igreja.

     . Há de trazer efeitos performativos na vida da igreja.

     . Há de marcar a história da Primeira Igreja Batista em Arinos de maneira a identificar a excelência em suas ações. A dimensão pastoral tem que contemplar o hoje e o amanhã. A eficácia do Ministério Pastoral ocorre quando o pastor compreende sua vocação, sua missão, a pessoa que deve ser e o caráter que deve possuir, para ser a solução e não os problemas do ministério e da igreja, afirma o Pr. Irland P. Azevedo em seu livro sobre o Pastor. O capítulo dois de I Tessalonicenses traz alguns retratos da excelência do pastor

A. O retrato da excelência em meio às adversidades (I Tess. 2.2,3)

“Mas, mesmo depois de termos antes padecido, e sido agravados em Filipos, como sabeis, tornamo-nos ousados em nosso Deus, para vos falar o evangelho de Deus com grande combate. Porque a                nossa exortação não foi com engano, nem com imundícia, nem com fraudulência;”

. A ousadia em pregar a Palavra de Deus, não se atemoriza com as adversidades, com os combates, com os ultrajes e nem com o descrédito.

. A excelência sobressai, pois ela não procede de enganos, de impureza e nem é produzida com dolo. É convicção da missão a ser realizada. Eleanor L. Duan afirmou: “Deus, algumas vezes, nos coloca na escuridão, a fim de nos lembrar de que Ele é a Luz.”

B. O retrato da excelência na fidelidade a Deus. V. 4

. A excelência da fidelidade a Deus identifica um pastor aprovado em Deus

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a Palavra da verdade.” (II Tim. 2.15)

              . “O caminho da fidelidade é sempre reto.”

              . A excelência da fidelidade não permite que andemos nem para direita e nem para esquerda. O nosso trajeto é direto em direção da cruz de Cristo.

C. O retrato da excelência no cuidado, no relacionamento e no amor a igreja. V. 5,8

. Excelência nos princípios verdadeiros, cuidando da igreja: palavras enganosas, lisonjeiras, não fazem parte da conduta pastoral.

. Excelência nos relacionamentos com a igreja: brandura, no trato com as ovelhas

. O chicote de palavras duras e inconsequentes machuca, fere e não produz um saldável relacionamento.

“A palavra branda desvia o furor mas a palavra dura suscita a ira.” (Prov. 15.1).

. Há pastores que não florescem, o ministério não progride porque a tônica dominical e a palavra amarga, dura, a palavra de descontentamento domina o coração do pastor, domingo após domingo.

. Aprendi com o querido amigo Pr. Artur, já com o Senhor, que quando as coisas não vão bem, somos nós, os pastores, que devemos assumir as responsabilidades e não culpar o rebanho e despejar sobre as ovelhas a nossa ira.

. As ovelhas são preciosas ao Senhor. A igreja é a noiva de Cristo. Tenhamos em mente sempre essa verdade. Ele deu sua vida por ela.

“Assim, nós, sendo-vos tão afeiçoado, de boa vontade quiséramos comunicar-vos, não somente o evangelho de Deus, mas também as nossas próprias almas, porque nos éreis muito queridos.” (v. 8) 

               . É a excelência do amor a igreja, ao rebanho do Senhor.

D. O retrato da excelência no ardor e na conduta do ministério.

. Excelência no esforço e na dedicação ao trabalho

. Trabalho como se tudo fosse para ontem e Cristo fosse voltar amanhã.

. Excelência nos ideais, na nobreza dos princípios. V. 9-12

E. O retrato da excelência reflete a manifestação da glória de Deus.

. Não buscamos a glória dos homens.

. Os frutos produzidos e recolhidos, identificam um ministério para glória de Deus.

. O progresso do ministério será real quando a glória de Deus for o alvo.

 

 

CONCLUSÃO:

 

     Os reflexos desse Retrato Igreja e Pastor, Pastor e Igreja é o Retrato da Excelência.

     . Excelência quando a igreja reflete a glória de Cristo. (I Tes. 2.13 a)

“Por isso também damos, sem cessar, graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes.”

      . Excelência quando a igreja permite que Deus opere na sua vida. (I Tes. 2. 13 c)

“como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes.”

     . Excelência quando a igreja incorpora os valores verdadeiros ( I Tes. 2.14)

“Porque vós, irmãos, haveis sido feitos imitadores das igrejas de Deus que na Judéia estão em Jesus Cristo; porquanto também padecestes de vossos próprios concidadãos o mesmo que os judeus lhes fizeram a eles,”

     . Excelência quando o pastor transmite os verdadeiros valores (I Tes. 2.10-12)

10- Vós e Deus sois testemunhas de quão santa, e justa, e irrepreensivelmente nos houvemos para convosco, os que crestes.

11- Assim como bem sabeis de que modo vos exortávamos e consolávamos, a cada um de vós, como o pai a seus filhos;

12- Para que vos conduzísseis dignamente para com Deus, que vos chama para o seu reino e glória.

     . Excelência quando o pastor vela pela igreja “...pelo que também damos sem cessar graças a Deus...”

     . Excelência quando o pastor deixa todo o embaraço e assume o ministério. Para o pastor o “viver é Cristo”.

“Ninguém que milita se embaraça com negócios dessa vida” (II Tim. 2.4)

 

“Um Retrato da Excelência:

Pastor e Igreja, Igreja e Pastor”

 

    Amados queridos irmãos da Primeira Igreja Batista em Arinos, querido e amado Pr. Luis Cláudio de Souza, “temos por lutas passado, umas temíveis e cruéis, mas o Senhor tem livrado delas seus servos fieis.”

O Reflexo da Excelência conduza a ambos, para glória de Deus. Amém

 

Pr. João Roberto Raymundo